Citação

Pare de Coçar as Feridas

22 Mar

 

Preciso Parar de Querer 

De Um Filho, de Um Cego

Bem,
Já tentei fugir
Já tentei mentir pra mim mesmo que não
Eu vou conseguir
Falo alto pra me ouvir
Mas volto sempre e dou uma coçadinha aqui e ali

Ferida, sempre aberta
E eu a reclamar de Ti
Sou eu quem não paro de

Coçar as feridas
Me algemar de novo
Logo eu que sou livre
Me pego lembrando
Querendo esquecer
Tentando aprender
Que pra você me curar preciso parar de querer

_____________________________________________________________

Estava ouvindo esta canção e comecei a prestar atenção na verdade contida nessa letra.

Se alguma vez em sua vida você já se feriu, então deve saber que cada ferida, dependendo da profundidade, tem seu tempo cicatrização, e a pior coisa que se pode fazer é ficar cutucando-a, coçando ou arrancando a pele que que cria sobre ela. O pecado é uma ferida em nossa vida espiritual, ele nos machuca e somente Deus pode operar a cura, isso não é instantâneo, não adianta querer muito, não adianta ficar olhando, torcendo para que ela saia dali, muito menos ficar cutucando, lembrando ou se culpando.

Quantas vezes, nos arrependemos, somos perdoados por Deus, mas logo depois  nos pegamos remoendo a culpa de pecados que já nem são mais nossos. O fato é que Deus realmente nos perdoa, e quando nos perdoa, Ele o faz por inteiro, de coração e realmente se esquece do que cometemos no passado, mas nunca se esquece da sua misericórdia pois esta não tem fim, ela se renova manhã após manhã.

Quantos cristãos acorrentados pelos pés e pelo pescoço, carregando a culpa que já está sobre Jesus?! Eles simplesmente não se deixam perdoar, sentem-se imerecedores da graça de Deus. Meu querido, não seja escravo da culpa. Enquanto você não parar de coçar as feridas, elas nunca vão sarar, deixe Deus cicatrizar as feridas que há em você, Deus já se esqueceu, esqueça você também!

Isaías 43:2 o próprio Deus diz: “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro“

Miquéias 7:18,19 diz: “Quem, oh Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniquidade e te esqueces da transgressão do restante da tua herança? O Senhor não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia. Tornará a ter compaixão de nós; pisará aos pés as nossas iniquiadades e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar.”

Anúncios

O SABÃO

12 Mar

 12/03/2012 por Marcia Rezende

 Como a grande maioria das mulheres brasileiras, divido o meu tempo entre trabalho (no meu caso, ministério), igreja, família, casa, compromissos pessoais, supermercado, farmácia, médico, banco, etc, etc, etc… Claro que nunca dá tempo de fazer tudo, então vamos focando no que julgamos ser prioritário. No meu caso, o serviço doméstico sempre fica por último, e às vezes o trabalho vai se acumulando. De repente, chega o dia em que não dá mais para adiar.

Hoje precisei limpar dar uma “geral” no fogão. Fogão brilhando, olhei para o lado e notei o quanto o armário estava sujo!! Impossível deixá-lo neste estado ao lado do fogão limpinho. E assim foi, até que azulejos, pia, geladeira e chão fossem todos igualmente limpos.

Horas se passaram e, enquanto isso, o Espírito Santo ministrava ao meu coração: não percebemos o quanto estamos sujos até que começamos o processo de limpeza.

Nossa vida espiritual é assim: se imediatamente após cometermos um pecado o reconhecemos, nos arrependemos e o confessamos, somos lavados e justificados pelo sangue do Cordeiro e seguimos nossa caminhada em santidade.

Mas, se ao invés disso, estamos ocupados demais com outras prioridades e deixamos a limpeza pra depois, a sujeira vai se acumulando, acumulando e acumulando até o ponto em que nem a identificamos mais, ou a bagunça é tamanha que achamos que não tem mais jeito.

Daí o processo de limpeza é mais doloroso, leva mais tempo, dá mais trabalho, cansa, dói.

Que sejamos sábios, humildes e prontos a nos livrar de tudo o que nos afasta de Deus, não em faxinas esporádicas, mas num processo contínuo de restauração, libertação e cura. Simples assim!

Porque a simplicidade do Evangelho nos conduz à essência do Cristianismo: amar a Deus e ao próximo.

 

O sofrimento sempre faz sentido?

11 Jan

As vezes não podemos entender o sofrimento.

O sofrimento sempre faz sentido?

Certamente não, não faz sentido para nós. Mas faz sentido para Deus. Portanto não é irracional ou essencialmente absurdo.

Nossa perspectiva não é a perspectiva de Deus. Não temos a visão que Ele tem. Existem diversas analogias disto. A que eu mais gosto, penso eu, é a do tapete. Ela foi usada, acredito, por Corrie ten Boom, que sofreu muito como pessoa durante a II Guerra Mundial quando foi aprisionada por ajudar judeus.

Ela disse que o sofrimento do mundo é como olhar embaixo de uma tapeçaria. Deus está tecendo-a de cima para baixo, e consegue contemplar a imagem se desenvolvendo. Nós estamos olhando de baixo para cima e estamos vendo todas estas linhas entrelaçadas. Parece não fazer sentido algum, mas é a mesma tapeçaria.

Na Bíblia, Deus nos dá evidências suficientes de Sua sabedoria como tapeceiro, traços suficientes do grande quadro da tapeçaria, e promessas suficientes de que Ele vai fazer lindas todas as linhas da nossa vida a fim de que possamos confiar n’Ele, mesmo que consigamos enxergar apenas a parte de baixo de vez em quando. E é isso que fazemos na tribulação.

Não temos que compreender o nosso sofrimento ou de outros a ponto de entendermos porque aconteceu agora, nesta medida e com estes efeitos. Não podemos ver tudo isso. O que podemos ver são as promessas, “Eu farei com que todas as coisas cooperem para o seu bem,” e “Eu glorificarei a minha graça na sua fraqueza.” Deus tem nos dado o suficiente na Bíblia para sabermos que há uma tapeçaria lá em cima da qual eu faço parte e que será linda. Eu vou me agarrar a Ele.

Você pode orar pela pessoa que está enfrentando o sofrimento agora mesmo?

Amém. Vamos orar.

Pai, eu oro com o apóstolo Paulo para que o Senhor conceda a todos que estão me ouvindo agora que sejam fortalecidos no homem interior, de acordo com as riquezas da Tua glória, através do Teu Espírito. Eu oro para que Cristo habite em seus corações pela fé, e que eles sejam alicerçados em amor. Oro para que tenham poder, poder espiritual, com todos os santos para compreenderem qual é a altura, a profundidade, o comprimento e a largura, e conhecerem o amor de Cristo que excede o conhecimento, bem em meio ao seu sofrimento.

Eu oro para que Cristo seja um tesouro para eles, que Ele seja a sua esperança, sua força e sua alegria. Senhor, torne Jesus tão real, tão poderoso, tão intenso, tão autêntico, tão inabalavelmente firme, que eles não desistam em incredulidade enquanto lidam com a dor em suas vidas.

Oh Senhor, conceda graça sustentadora.

Não graça para impedir o que não é contentamento
Nem fuga de todo sofrimento, mas isto:
A graça que ordena nossa dor e sofrer,
E em seguida, nas trevas, está lá para suster.

Sustente a todos, Senhor, por meio da Tua graça à medida em que eles se aproximam de Ti.

Em nome de Jesus, eu oro. Amém.
__________________________________________________________________
Texto de Jonh Piper traduzido e extraído do site:
http://thegospelcoalition.org/

VIRADA RADICAL

11 Jan

Janeiro na 3ª tem

11 Jan

26 de novembro na 3ª Batista de Marília

18 Nov

 

A história de Ide

16 Nov

Era uma vez… Um reino escuro. Nada brotava, nada floria. Feio. O Rei se chamava Engano. Ele aprisionava as mentes com mentiras nos filmes, nas brincadeiras, nas músicas, nas danças, nas letras e até colocadas nas paredes de suas casas.

Enfeitiçava pessoas fazendo-as acreditarem que eram felizes, oferecendo luxúria e ganância. A lei estabelecida era: cada um por si e que vença o melhor.

Assim, a população era dominada por Engano. Não sabiam que o rei era mal e nem que viviam na escuridão, pois não conheciam a luz.

Um dia, veio um homem chamado Ide. Ele andava pelas ruas falando sobre idéias de um novo Reino, de um novo mundo. Coisas que jamais tinha se ouvido no reino do Engano. Dizia que veio em nome do Rei Jesus, do Reino da Luz. Lá, o maior era o menor e a única lei é “ame ao próximo como a ti mesmo”.

Alertava a todos que estavam sendo enganados. Alertava a todos que aquelas competições, “supostas” diversões que aos olhos pareciam tão modernas, levam a um único caminho: o da morte.
Toda gente pasmou-se… Era difícil desacreditar tudo aquilo em que acreditavam desde pequeno. Houve um grande alvoroço no reino do Engano. Todos queriam saber. Queriam entender.

Uns diziam que Ide era louco, que aquelas histórias que ele lia naquele livro – Bíblia – eram muito antigas, não serviam mais para o tempo atual! Outros atiravam pedras. Mas Ide continuou falando a toda gente.

O Rei Engano soube que havia um homem falando de boas novas e ficou furioso. Convocou seus soldados, que foram atrás de Ide. Toda gente ficou agitada. Queriam ver guerra e morte.

Quando se aproximaram de Ide, houve um estrondoso trovão. O rei Engano e seus soldados caíram. Imediatamente veio a luz sobre o reino.

As pessoas, agora iluminadas, puderam se ver. E perceberam como estavam sujas. Sentiram-se mal. Sentiram-se culpadas. Queriam se esconder. Mas Ide foi até elas e disse que o Rei Jesus as aceita daquele jeito. Bastava somente irem até ele.

As pessoas foram renovadas, nascidas de novo com uma nova consciência. Nascidas com olhos novos, puderam ver o engano que viveram. Libertas de toda culpa, o reino floriu. Alegres, cantam e dançam uma nova canção limpando suas casas.

Todos estavam felizes. Mas se lembraram de seus amigos da terra vizinha, o Reino da Ilusão. Ficaram tristes. Rapidamente veio uma luz de esperança. Chamaram Ide, dizendo: “Ide, pregai o evangelho a toda a criatura!”. Deram para ele moedas, coberta e pão. Por onde Ide passava, as pessoas ficavam felizes para sempre.

“Os filhos de Deus são como o vento. Eles não sabem para onde vão, mas ouvem a voz de Deus.”

_____________________________________________________________

Texto de Ketelyn Sanchez Costa extraído do link:
http://ultimato.com.br/sites/jovem/2011/10/14/a-historia-de-ide